Terceiro dia do Ciclo de Palestras – 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais

Segundo dia do Ciclo de Palestras – 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais
maio 10, 2018
Pesquisa sobre o Ciclo de Palestras – 52º DMCS
maio 22, 2018

Terceiro dia do Ciclo de Palestras – 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais

Mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações

No terceiro e último dia do ciclo de palestras acontecido na Faculdade São Basílio Magno, mais uma vez, pudemos iniciar com a Oração pela Paz, adaptada de tal modo ao contexto das Comunicações Sociais juntamente com o ensejo da comemoração ao 52º dia das comunicações.

O colaborador principal deste momento de palestra foi o publicitário Adielson Agrelos, Assessor de Comunicação da Diocese de Duque de Caxias (RJ). Adielson é Formado em Filosofia, Teologia e Publicidade e Propaganda. No âmbito das Relações Sociais, tem ligação direta com a Agência Hesed, do qual é o principal articulador. Idealizador do projeto de combate as fake news no âmbito eclesial, conduziu suas colocações sob o tema: Fake News e Pós-Verdade: traços de uma sociedade individualista e conectada.

Referenciando inicialmente as palavras do nosso Santo Padre Papa Francisco, Adielson direciona a sua fala com a frase: “escolhi como tema a passagem ‘a verdade nos tornará livres’” (Jo 8, 28), iluminando à Luz do Evangelho o dilema vivenciado nestes tempos de desafios tão agudos da comunicação social. “Hoje, no contexto duma comunicação cada vez mais rápida e dentro dum sistema digital, assistimos ao fenômeno das «notícias falsas», as chamadas fake news: isto convida-nos a refletir, sugerindo-me dedicar esta Mensagem ao tema da verdade”[1]

Existem três âmbitos que compõem o tripé da Comunicação Eclesial: Teológico-Doutrinal; Pastoral; e Técnico, mas, no centro está sempre o interlocutor; está a pessoa, e nós enquanto interlocutores também estamos intrinsecamente ligados a esta responsabilidade em considerar a pessoa, em última análise: não é a máquina que está em jogo, é um sujeito.

“As notícias falsas revelam a presença de atitudes simultaneamente intolerantes e hipersensíveis, cujo único resultado é o risco de se dilatar a arrogância e o ódio. É a isto que leva, em última análise, a falsidade.” Mas, a realidade da mensagem do Papa, não se faz como um balsamo para todos, haja vista que ela própria também é passível se ser atacada por aqueles que criticam prontamente a postura do Papa, ao falar contra as armas, por exemplo. Eis o ódio pelo ódio, porém, essa contramão vai de encontro a ternura de Francisco, dissolve-se.

“A expressão fake news é objeto de discussão e debate. Geralmente diz respeito à desinformação transmitida on-line ou nos mass-media tradicionais. […]sua divulgação pode visar objetivos prefixados, influenciar opções políticas e favorecer lucros económicos.[2]

Em 1967, Paulo VI, na mensagem do Primeiro dia Mundial das Comunicações: “quem pode ignorar os perigos e os prejuízos que estes nobres instrumentos podem causar a cada pessoa e à sociedade, quando não são empregados pelo homem com sentido de responsabilidade, com reta intenção, e de conformidade com a ordem moral objetiva?” [3]

Ao apontar para a gravidade desta ação, pudemos ainda reconhecer o caso do assassinato de uma mulher que foi espancada até a morte no Guarujá (SP): notícia falsa, rasteira e profundamente nociva. Deixar-se purificar pela verdade, é a única saída, não há outro caminho senão a verdade. Agora, como combater as fake news e traçar um itinerário de verdade nas comunicações? Vale ressaltar algum temas para bem responder tal questionamento: considerar a fonte da informação; ir sempre além do título; checar os autores; procurar fontes de apoio; checar a data da publicação; questione se é uma piada; revise seus preconceitos; e consulte especialistas.

“O Padre é o  Ministro da síntese”, objetiva o palestrante, haja vista que se faz um enorme formador de opiniões, bem como os demais comunicadores que se dedicam ao seu real ofício, eis o potencial de um jornalismo empenhado a indicar soluções alternativas, combatendo de todas as formas a violência verbal.

Por fim, deixou-nos ferramentas importantes no âmbito da checagem de fatos falsos, ou melhor dizendo, na checagem de notícias falsas que circulam na Web: Primeiramente, vincular qualquer informação sempre “na verdade e com ternura”, insistiu neste ponto. Usando também sempre os nossos olhos para olhar o outro, pois é assim, e somente assim que saudavelmente podemos começar a enxergar a nós mesmos; a nos apercebermos como união de diferentes. Eis a Igreja: não uma unidade de iguais, mas, sim, uma comunhão de diferentes. A diferença é o que nos enriquece, ao passo que seguimos o mesmo Mestre e Senhor Jesus Cristo e é nele que teremos a verdadeira unidade: “Eu sou o caminho, a Verdade e a Vida”.

Sites existentes para a checagem de fatos: E-farças; Boatos.org; Truco; entre outros.

Abaixo, está a palestra que foi transmitida ao vivo para rever e compartilhar.

[1] Trecho da mensagem do Papa Francisco para a ocasião do 52º Dia Mundial das Comunicações sociais, sob o tema: «”a verdade vos tornará livres” (Jo 8, 32). Fake News e jornalismo de paz» [13 de maio de 2018]. Disponível em: https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/messages/communications/documents/papa-francesco_20180124_messaggio-comunicazioni-sociali.html

[2] Idem.

[3]Trecho da Mensagem do Papa Paulo VI, na ocasião do 1º Dia Mundial das Comunicações Sociais, 1967: «os meios de comunicação social»[domingo, 7 de maio de 1967] Disponível em: https://w2.vatican.va/content/paul-vi/pt/messages/communications/documents/hf_p-vi_mes_19670507_i-com-day.html

Autor: Carlos Dener Pires Julio, estudante do 2º ano do curso de Filosofia e seminarista da Arquidiocese de Curitiba.

Fotos: Juliana Camargo, Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Curitiba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *