Tradicional Benção dos Motoristas e Automóveis

Inicia o 6º Encontro Nacional da Pascom
julho 20, 2018

Tradicional Benção dos Motoristas e Automóveis

O início da tradição

Em Irati (PR) aos 25 de julho de 1948, fr. Nereu José Bassi, OFMCap, realizava na igreja N. Sra. da Luz em Irati, a festa e a primeira bênção de motoristas e veículos, considerada hoje a mais antiga do Brasil, constata pelos estudos do padre Mário Litewka, da Pastoral Rodoviária do Brasil. Em Irati-PR, a bênção de carros ainda continua com a presença de nossos e se faz na paróquia Nossa Senhora da Luz no mês de julho, num domingo próximo à festa de São Cristóvão.
Em carta manuscrita, aos 29.01.1980, de fr. Nereu Bassi ao superior provincial, assim explica: “Comecei a festa de São Cristóvão no Paraná em Irati e, depois, nas Mercês. Quem me deu a ideia foi um revendedor da Esso que vinha de São Paulo e ficava dias e dias em Irati. Depois ele veio me visitar nas Mercês [Curitiba] e arranjou da Esso uma verba para a festa de São Cristóvão nas Mercês” (arquivo provincial).
Em Curitiba aconteceu pela primeira vez no dia de são Cristovão. Frei Nereu J Bassi, autorizado pelo arcebispo D. Manoel da Silveira D’Elboux, programou, pela primeira vez, a bênção de motoristas e veículos para 27.7.1952 (domingo), preparada por solene e concorrida novena. Na parte da manhã, bênção da estátua de S. Cristóvão e solene missa com a presença de motoristas. À tarde, 1.500 veículos receberam a primeira bênção dos freis capuchinhos. Foi feito desfile de carros por algumas ruas de Curitiba, sendo o mesmo filmado, irradiado pela Rádio Marumbi e acompanhado por alto-falante numa camionete da “Melhoral” (cf. 1º livro Tombo, p. 6 e anotações de fr. Casimiro Caelusniak em “Curitiba”, pp. 53-54).
Em 1954, fr. Nereu repetiu a bênção dos carros e organizou e realizou a “Páscoa dos motoristas”.
Em 1955, além da Páscoa dos motoristas, a Base Aérea do Bacacheri mandou nove aviões para acompanhar o desfile de carros, feito após a bênçãos dos veículos na igreja das Mercês. O livro Tombo diz: “Neste ano toda a festa e particularmente a procissão dos carros revestiu-se de brilho inédito, o que grandemente concorreu para o prestígio da Ordem”. A festa foi no dia 24 de julho de 1955. (cf. 1º Livro Tombo, p. 9).
Em 1956 foi a última bênção de carros nesta modalidade. Nesse tempo, já se falava em criar a paróquia de São Cristóvão, que seria o futuro centro para os motoristas (cf. Anotações sobre as Mercês, Curitiba, de fr. Casimiro Cazelusniak, p. 53-54).
De fato, na Vila Guaíra, em Curitiba, em 1956 já havia um Centro Social. Em 1957, começou-se a construir a nova igreja matriz. E aos 27 de julho de 1958, o arcebispo D. Manoel D’Elboux inaugurava a nova igreja matriz e instalava a nova paróquia de São Cristóvão na Vila Guaíra, ao cuidado dos padres salesianos, onde se começou a celebrar a festa de São Cristóvão.
Enquanto isto estava em andamento e a festa de São Cristóvão iria passar à nova paróquia dedicada a esse santo, frei Nereu Bassi e os demais capuchinhos das Mercês comentavam o fato que os capuchinhos do Rio de Janeiro organizavam bênçãos na primeira sexta-feira do ano, e era muito concorrida. Uma vez que tinha sido criada a paróquia de São Cristóvão em Curitiba – que também funcionava como centro para os motoristas – a ideia dos freis do Rio de Janeiro foi bem aceita e os capuchinhos das Mercês também decidiram, com licença do então arcebispo D. Manoel da Silveira D’Elboux, imitá-los.
Por isso, a bênção dos carros nas Mercês entrou numa segunda etapa. Não mais era feita em julho – festa de S. Cristóvão – mas em janeiro como bênção da primeira sexta-feira do ano.
A primeira bênção da “primeira sexta-feira do ano” começou aos 5 de janeiro de 1957. Dessa data em diante, até hoje (2019), a tradicional bênção dos carros na igreja das Mercês, Curitiba-PR, continuou sempre na primeira sexta-feira de cada ano.
Portanto, em janeiro de 2019 completam-se
– 71 anos do início da bênção dos carros e motoristas na igreja N. Sra. da Luz em Irati-PR (1948)
– 67 anos do início na igreja N. Sra. das Mercês, Curitiba, em sua 1º etapa como festa de São Cristóvão e bênção dos carros (1952);
– 62 anos do início da segunda etapa como Bênção da Primeira Sexta-feira do ano (1958).

Curitiba-PR, Santuário S. Leopoldo
Embora o falecido fr. Miguel Loregiolla abençoasse muitas pessoas e carros na capela São Leopoldo Mandic, contudo frei Ivo Bonamigo, seu sucessor, iniciou de maneira programada a bênção de carros. Começou esta pastoral aos 05.01.2003, quando compareceram 53 carros, com expressivo aumento nos anos seguintes. Neste ano de 2019, completam-se 16 anos que os freis benzem, no primeiro sábado do ano, carros, pessoas e objetos na capela e agora Santuário São Leopoldo Mandic.

(Frei Dionísio Destefani)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *